top of page
  • Mazal News

The Jewish Day of Love: 6 teachings from the Rebbe for the 15th of Av



By Mordechai Rubin*


The 15th of Av is perhaps the most enigmatic day on the Jewish calendar. Coming a mere 6 days after the 9th of Av—which marks the destruction of the First and Second Holy Temples—it is a day of happiness and rejoicing. “There were no days as joyous for the Jewish people as the 15th of Av and Yom Kippur,” the Mishnah declares. On this day “the maidens of Jerusalem would go out and dance in the vineyards. And what would they say? Young man, please lift up your eyes and see what you choose for yourself.”1


In fact, a total of seven joyous events occurred on this date. Here we present six teachings from the Lubavitcher Rebbe that pertain to the themes of this day.


1. What Is Beauty?

The last Mishnah in Masechet Taanit (quoted above) describes how the dancing maidens of Jerusalem would call to their prospective matches, “Young man, lift up your eyes and see what you choose for yourself. Do not set your eyes toward beauty, but set your eyes toward a [good] family” The Rebbe understands that this event—which according to some readings occurred both on the 15th of Av and on Yom Kippur—is referencing something of a lofty nature, not a simple matchmaking event. In the Rebbe’s reading, this event was to showcase not the physical or even spiritual qualities that individuals may possess, but the innate spiritual character we all possess as members of one family, the Nation of Israel:


One should not look at virtues (both spiritual and physical) as they appear to the eye—which is the usual manner [one would judge another.] Rather, one should “lift up your eyes and see” (referencing Isaiah 40:26, “Lift up your eyes on high, and behold who has created these things”) with a higher and more inward gaze—to see the root and source from which these virtues stem.


Given that she is the daughter of Sarah, Rivkah, Rachel, and Leah, she inherently possesses the Jewish virtues passed down from her mothers.2


2. Descent for the Purpose of Ascent

In a letter dated 15 Av, 5725 (August 13, 1965) the Rebbe commented on the significance of this joyous day coming so closely after the 9th of Av:


Coming so soon after Tisha b’Av, the radical transition from a mood of sadness to that of joy is doubly significant. Firstly, it signifies that any sad interlude in Jewish life is only transitory and is based on the principle of “descent for the purpose of ascent.” In other words, any and all sad events in our history—which are commemorated on the few sad days on our calendar—are backward steps necessary for a greater leap forward.


Secondly, the very transition from sadness to gladness intensifies the joy, and adds real quality to it, which could not be appreciated otherwise.


3. To Cleave as One

In the context of explaining the wording of a section of Maimonides’ Mishneh Torah, the Rebbe articulated the essential tenets of marriage:


The essence and definition of marriage are, in the words of the verse, “and he clung to his wife, and they became one flesh,”3 a constant state of acquisition and attachment, without any element that leads or causes interruption.


However, when the acquisition and substance of the marriage are such that there is an element contrary to “attachment,” either at the beginning of the marriage or after some time, this constitutes a deficiency in the essence of the marriage itself.4


4. Life In the Garden of Eden

The Rebbe posed a question about the phrasing of the sixth of the seven blessings recited at the marriage ceremony:


[Why is] the wording of the marriage blessing, “ … Who creates joy for Your creation in the Garden of Eden from the beginning” (meaning, G‑d should make the young couple happy, as He made His first humans joyful in the Garden of Eden). What do the words “from the beginning” signify? We all know that Adam and Eve in the Garden of Eden was many years ago!


[The answer is that the phrase], “from the beginning” refers specifically to their time in the Garden of Eden, at the very onset—before the sin. And this is what we wish for the young couple: that their life should be in the manner of Adam and Eve before the sin. There should not be any opposition, but on the contrary, a “helper,” and the house should conduct itself in a manner of “I will dwell among them” - “Who creates joy for Your creation in the Garden of Eden from the beginning.”5


5. Life’s Mission

While discussing the parameters of the Biblical obligation to erect a fence surrounding the roof of a new home, the Rebbe drew a lesson for our spiritual abode:


It’s crucial to appreciate the profound impact of marital life. The act of marriage for every Jew holds profound significance, both in the individual lives of the couple and in a transcendent spiritual sense. This is the point when a person embarks on their fundamental mission of creating a sanctuary for G‑d within the earthly domain. This process brings forth a novel Divine illumination.


However, we must also be aware of the fact that this new stage of life brings unique challenges. Consequently, it is essential to establish a metaphorical fence around this novel structure: one should adopt additional safeguards and disciplines to protect and maintain this new dwelling.6


6. The Wedding Canopy

The Rebbe explained the deeper meaning of the custom for the bride to circle the groom under the chuppah:

The bride’s act of circling the groom embodies her overarching capacity to contribute to the marriage. It signifies her devotion, rooted in her encompassing qualities, to establish a Jewish home based on the principles of the Torah and mitzvot.


When the groom presents the ring to the bride, it symbolizes his own encompassing capacity to contribute to their shared life together. He, too, commits to building a Jewish home, anchored in the foundations of Torah and mitzvot.


Together, the couple’s complementary capacities are enveloped by the wedding canopy, which represents the Divine, transcendent capacity bestowed upon them by G‑d. This Divine gift elevates their combined capabilities, enabling them to create a lasting and fruitful union.7


Credit: Mordechai Rubin is a content editor and staff writer at Chabad.org. He studied advanced rabbinics at yeshivot in the U.K. and U.S., and currently lives in Pittsburgh with his wife Devorah, and their four children.

 

O Dia Judaico do Amor: 6 ensinamentos do Rebe para o dia 15 de Av


O dia 15 de Av é talvez o dia mais enigmático do calendário judaico. Chegando apenas 6 dias após o dia 9 de Av - que marca a destruição do Primeiro e do Segundo Templos Sagrados - é um dia de felicidade e regozijo. “Não houve dias tão alegres para o povo judeu quanto 15 de Av e Yom Kippur”, declara a Mishná. Neste dia “as donzelas de Jerusalém saíam e dançavam nas vinhas. E o que eles diriam? Jovem, por favor, levante os olhos e veja o que você escolhe para si mesmo.”


Na verdade, um total de sete eventos alegres ocorreram nesta data. Aqui apresentamos seis ensinamentos do Lubavitcher Rebe que pertencem aos temas deste dia.


1. O que é beleza?

A última Mishná em Masechet Taanit (citada acima) descreve como as donzelas dançarinas de Jerusalém chamavam para seus futuros casamentos: “Jovem, levante os olhos e veja o que você escolhe para si mesmo. Não coloque seus olhos na beleza, mas coloque seus olhos em uma família [boa]". O Rebe entende que este evento - que de acordo com algumas leituras ocorreu tanto no dia 15 de Av quanto no Yom Kippur - está se referindo a algo de natureza elevada, não é um simples casamento. Na leitura do Rebe, este evento foi para mostrar não as qualidades físicas ou mesmo espirituais que os indivíduos podem ter, mas o caráter espiritual inato que todos nós possuímos como membros de uma família, a Nação de Israel:


Não se deve olhar para as virtudes (tanto espirituais quanto físicas) como elas aparecem aos olhos - que é a maneira usual [alguém julgaria o outro]. Em vez disso, deve-se "erguer os olhos e ver" (referindo-se a Isaías 40:26, “Erga os olhos ao alto e veja quem criou essas coisas”) com um olhar mais alto e mais interior - para ver a raiz e a fonte de onde essas virtudes se originam.


Visto que ela é filha de Sarah, Rivkah, Rachel e Leah, ela possui inerentemente as virtudes judaicas transmitidas por suas mães.


2. Descida para fins de subida

Em uma carta datada de 15 de Av de 5725 (13 de agosto de 1965), o Rebe comentou sobre o significado deste dia alegre chegando tão perto de 9 de Av:


Vindo logo após Tisha b'Av, a transição radical de um humor de tristeza para alegria é duplamente significativa. Em primeiro lugar, significa que qualquer interlúdio triste na vida judaica é apenas transitório e se baseia no princípio de “descida para fins de ascensão”. Em outras palavras, todo e qualquer acontecimento triste de nossa história – que é comemorado nos poucos dias tristes de nosso calendário – são retrocessos necessários para um salto maior.


3. Para se unir como um

No contexto de explicar o texto de uma seção da Mishneh Torá de Maimônides, o Rebe articulou os princípios essenciais do casamento:


A essência e a definição do casamento são, nas palavras do versículo, “e ele se apegou à sua mulher, e eles se tornaram uma só carne”, um estado constante de aquisição e apego, sem qualquer elemento que conduza ou cause interrupção.


No entanto, quando a aquisição e a substância do casamento são tais que há um elemento contrário ao “apego”, seja no início do casamento ou depois de algum tempo, isso constitui uma deficiência na essência do próprio casamento.


4. A vida no Jardim do Éden

O Rebe fez uma pergunta sobre a frase da sexta das sete bênçãos recitadas na cerimônia de casamento:


[Por que] a redação da bênção do casamento, “… Quem cria alegria para Sua criação no Jardim do Éden desde o início” (significando, D'us deveria fazer o jovem casal feliz, como Ele fez Seus primeiros humanos alegres no Jardim do Eden). O que significam as palavras “desde o princípio”? Todos nós sabemos que Adão e Eva no Jardim do Éden foram há muitos anos!


[A resposta é que a frase], “desde o princípio” refere-se especificamente ao tempo deles no Jardim do Éden, bem no início — antes do pecado. E é isso que desejamos para o jovem casal: que sua vida seja como Adão e Eva antes do pecado. Não deve haver oposição, mas, pelo contrário, um “ajudante”, e a casa deve se comportar de maneira “Habitarei entre eles” - “Quem cria alegria para a Tua criação no Jardim do Éden desde o início."


5. Missão de vida

Ao discutir os parâmetros da obrigação bíblica de erguer uma cerca ao redor do telhado de uma nova casa, o Rebe tirou uma lição para nossa morada espiritual:


É crucial apreciar o profundo impacto da vida conjugal. O ato do casamento para todo judeu tem um significado profundo, tanto na vida individual do casal quanto em um sentido espiritual transcendente. Este é o ponto quando uma pessoa embarca em sua missão fundamental de criar um santuário para D'us dentro do domínio terrestre. Este processo produz uma nova iluminação divina.


No entanto, também devemos estar cientes de que esta nova etapa da vida traz desafios únicos. Consequentemente, é essencial estabelecer uma cerca metafórica em torno desta nova estrutura: deve-se adotar salvaguardas e disciplinas adicionais para proteger e manter esta nova habitação.6


6. O Dossel de Casamento

O Rebe explicou o significado mais profundo do costume da noiva circular o noivo sob a chupá:


O ato da noiva de circundar o noivo incorpora sua capacidade abrangente de contribuir para o casamento. Significa sua devoção, enraizada em suas qualidades abrangentes, para estabelecer um lar judaico baseado nos princípios da Torá e mitsvot.


Quando o noivo apresenta o anel à noiva, isso simboliza sua própria capacidade abrangente de contribuir para a vida em comum. Ele também se compromete a construir um lar judaico, ancorado nos fundamentos da Torá e mitsvot.


Juntos, as capacidades complementares do casal são envoltas pelo pálio nupcial, que representa a capacidade divina e transcendente concedida a eles por D'us. Este presente divino eleva suas capacidades combinadas, permitindo-lhes criar uma união duradoura e frutífera.



Comments


bottom of page