top of page
  • Mazal News

Even Borscht Tastes Like Home



New on the shelf: When we leave home, even when we make that decision willingly and voluntarily, there is still a connection to the place we left behind. And there’s nothing like food to reawaken those memories and that unique sense of longing.

“All Ukrainians are supposed to love borsch(t)—but what if you hate the red stuff? A young girl despises Eastern Europe’s most beloved soup, and not even the grandmothers of Kiev can persuade her to change her mind…” From the cover of I Hate Borsch!

Yevgenia Nayberg, an award-winning theater designer, author and illustrator, grew up in Ukraine and immigrated to the United States.


As a Ukrainian girl, she was expected to love sour beet soup, otherwise known as borsch or borscht – but what to do, she really can’t stand the “red, thick, disgusting soup!” With many a humorous illustration, she describes her excitement at all the elements of Ukrainian agriculture being enlisted in the service of making this national dish. Her sense of persecution is also translated into amusing, brightly colored illustrations.



While preparing to leave for the United States, Yevgenia receives many recipes for making borscht, and every grandma she knows swears her own recipe is the one true original. Arriving at the Promised Land of America teaches her new things about the hated dish: it’s called borscht there rather than the Ukrainian “borsch”, it comes in bottles and has no taste at all…



Moving to the US exposed Yevgenia to new foods and tastes. But as time passed and after eating “tons” of American food, she felt something was missing. Maybe she missed the sight of the red liquid in the white ceramic bowl, the heavy crooked spoon on the wooden table, or the “amber tea in the cloudy glass”. After opening up her old suitcase and taking out her old children’s clothes, she took the borsch recipes, laid them on the table, read them one by one, and then went to the kitchen to prepare the dish.



Unfortunately, many Israeli citizens have also had to recently leave their homes, and not out of choice. Some of them don’t even have any souvenirs of their former lives, which were turned upside down in a day.


The National Library of Israel collections include recipe books produced in various communities around the country, many of them in kibbutzim.


Because of the character of life on the kibbutz in the past, most of the recipes in the older books refer to baked goods: cakes, cookies, and salted pastries. There are also recipes for salads and other dishes appropriate for hosting guests, but usually not recipes for whole meals.


This was the case with a publication released by the “Baking Mothers Organization” of Kibbutz Nahal Oz in 1985. An absolute majority of its recipes cover cookies and cakes.


The online cookbook put out by Kibbutz Be’eri in 2022 is representative of kibbutz life in the 21st century. It includes recipes for all parts of the meal: starters, soups, main dishes, and desserts. It contains traditional foods from different Jewish communities, alongside foods from around the world: sushi salad with seaweed alongside Hungarian goulash with nokedli or couscous soup.

The very mention of some dish we knew in the past always has an emotional connection – of rejection, or of longing.


May the dishes, morsels and recipes we encounter only conjure up pleasant memories!

Credit: Noa Reichmann, the National Library of Israel


Até o borscht tem gosto de casa


Novidade na prateleira: Quando saímos de casa, mesmo quando tomamos essa decisão de boa vontade e voluntariamente, ainda há uma ligação com o lugar que deixamos para trás. E nada como a comida para despertar essas memórias e aquela sensação única de saudade.

“Todos os ucranianos deveriam adorar borsch(t) – mas e se você odiar a coisa vermelha? Uma jovem despreza a sopa mais apreciada da Europa Oriental, e nem mesmo as avós de Kiev conseguem convencê-la a mudar de ideia…” da capa de I Hate Borsch!

Yevgenia Nayberg, uma premiada designer de teatro, autora e ilustradora, cresceu na Ucrânia e imigrou para os Estados Unidos.


Como uma menina ucraniana, esperava-se que ela adorasse sopa de beterraba azeda, também conhecida como borsch ou borscht – mas o que fazer, ela realmente não suporta a “sopa vermelha, espessa e nojenta!” Com muitas ilustrações humorísticas, ela descreve seu entusiasmo com todos os elementos da agricultura ucraniana sendo recrutados para fazer este prato nacional. Seu sentimento de perseguição também se traduz em ilustrações divertidas e coloridas.


Enquanto se prepara para partir para os Estados Unidos, Yevgenia recebe muitas receitas para fazer borscht, e toda avó que ela conhece jura que sua receita é a única e verdadeiramente original. Chegando à Terra Prometida da América lhe ensina coisas novas sobre o prato odiado: lá se chama borscht em vez de “borsch” ucraniano, vem em garrafas e não tem gosto nenhum…


A mudança para os EUA expôs Yevgenia a novos alimentos e sabores. Mas com o passar do tempo e depois de comer “toneladas” de comida americana, ela sentiu que faltava algo. Talvez ela tenha perdido a visão do líquido vermelho na tigela de cerâmica branca, da colher pesada e torta na mesa de madeira ou do “chá de âmbar no copo turvo”. Depois de abrir a mala velha e tirar as roupas velhas dos filhos, ela pegou as receitas do borsch, colocou-as sobre a mesa, leu uma a uma e depois foi para a cozinha preparar o prato.


Infelizmente, muitos cidadãos israelitas também tiveram de abandonar recentemente as suas casas, e não por opção própria. Alguns deles nem sequer têm lembranças de suas vidas anteriores, que foram viradas de cabeça para baixo em um dia.


As coleções da Biblioteca Nacional de Israel incluem livros de receitas produzidos em diversas comunidades do país, muitos deles em kibutzim.


Devido ao caráter da vida no kibutz no passado, a maioria das receitas dos livros mais antigos refere-se a produtos assados: bolos, biscoitos e doces salgados. Também existem receitas de saladas e outros pratos adequados para receber convidados, mas geralmente não receitas de refeições completas.


Foi o caso de uma publicação lançada pela “Baking Mothers Organization” do Kibutz Nahal Oz em 1985. A maioria absoluta de suas receitas abrange biscoitos e bolos.


O livro de receitas on-line publicado pelo Kibutz Be’eri em 2022 é representativo da vida no kibutz no século XXI. Inclui receitas para todas as partes da refeição: entradas, sopas, pratos principais e sobremesas. Contém alimentos tradicionais de diferentes comunidades judaicas, ao lado de alimentos de todo o mundo: salada de sushi com algas marinhas ao lado de goulash húngaro com nokedli ou sopa de cuscuz.


A simples menção de algum prato que conhecemos no passado sempre traz uma ligação emocional – de rejeição, ou de saudade.


Que os pratos, petiscos e receitas que encontramos apenas evoquem lembranças agradáveis!

Kommentarer


bottom of page