top of page
  • Mazal News

Revealed: 90 “New” Pages from One of the Oldest Printed Hebrew Books



The National Library of Israel (NLI) has acquired 90 singular pages from the earliest period of Hebrew printing. The pages come from the only known copy of a late 15th century edition of Rabbi Yaakov ben Asher’s “Arba’ah Turim”, a seminal codification of Jewish law. Yehoshua Soncino, a leading figure in the early Hebrew printing industry, published the edition in Italy around 1492. No complete copies of it have survived, and the pages acquired by the National Library of Israel in Jerusalem are not found in any other collection in the world, public or private. Prior to the acquisition, the NLI already held 59 pages from the book.


Works published prior to 1500 are known as “incunabula”. During this period, less than 200 total Hebrew titles were printed, of which around 150 have survived until today. The NLI has copies of more than 80 of them.


“Arba’ah Turim”, meaning “Four Columns” in Hebrew, was written by Rabbi Yaakov ben Asher (approx. 1269-1343 CE), a leading medieval rabbinical authority also known as “Rabbeinu Asher” and “Ba’al ha-Turim” (“Master of the Columns”). Its name refers to the four sections into which the work is divided, each of them covering different areas of Jewish law: “Orakh Khayim”, “Yoreh De’ah”, “Even Ha’ezer”, and “Khoshen Mishpat”. The pages just acquired by the NLI come from the first two of these sections. The four-part division of the “Arba’ah Turim”, and the work more generally, have served as a foundation for countless commentaries and later attempts to codify Jewish law, including Rabbi Joseph Caro’s 16th century “Shulkhan Arukh,” which is widely considered to be the most important code of Jewish law until today.


According to Dr. Yoel Finkelman, curator of the Haim and Hanna Salomon Judaica Collection at the National Library of Israel, “Incunabula like these provide a rich and unique resources for the research of Jewish textual culture, and they have additional aesthetic and bibliographic value. These pages in particular provide exceedingly rare tangible evidence of one of the very first religious Jewish texts to be printed. Even though the complete edition has not survived, it is exciting that these pages – part of an exceedingly important Jewish text – have come down to us and will now be preserved and made accessible to scholars and the general public by the National Library of Israel in Jerusalem.”


The Haim and Hanna Salomon Judaica Collection at the National Library of Israel includes the vast majority of Hebrew and Jewish books, journals and magazines ever published; thousands of Hebrew-letter manuscripts, as well as digital and microfilm copies of some 80,000 such manuscripts from collections across the globe; the world’s largest collection of Jewish music; and hundreds of personal archives of leading figures. Cherished treasures in the Collection include Maimonides’ commentary on the Mishna in his own handwriting; some of the earliest Talmudic manuscripts and printed Hebrew books; the world’s largest collections of ketubot and haggadot; archival collections of leading rabbinic figures; and the Gershom Scholem Collection – the world’s foremost resource for the study of Kabbalah, Jewish Mysticism and Hasidism.


Source: The National Library of Israel


Revelado: 90 “novas” páginas de um dos mais antigos livros hebraicos impressos


A Biblioteca Nacional de Israel (NLI) adquiriu 90 páginas singulares do período mais antigo da impressão hebraica. As páginas vêm da única cópia conhecida de uma edição do final do século XV do “Arba’ah Turim” do Rabino Yaakov ben Asher, uma codificação seminal da lei judaica. Yehoshua Soncino, uma figura importante na indústria gráfica hebraica, publicou a edição na Itália por volta de 1492. Nenhuma cópia completa dela sobreviveu, e as páginas adquiridas pela Biblioteca Nacional de Israel em Jerusalém não são encontradas em nenhuma outra coleção no mundo, público ou privado. Antes da aquisição, o NLI já possuía 59 páginas do livro.


Trabalhos publicados antes de 1500 são conhecidos como “incunábulos”. Durante este período, foram impressos menos de 200 títulos hebraicos, dos quais cerca de 150 sobreviveram até hoje. O NLI possui cópias de mais de 80 deles.


“Arba'ah Turim”, que significa “Quatro Colunas” em hebraico, foi escrito pelo Rabino Yaakov ben Asher (aproximadamente 1269-1343 dC), uma importante autoridade rabínica medieval também conhecida como “Rabbeinu Asher” e “Ba'al ha- Turim” (“Mestre das Colunas”). Seu nome refere-se às quatro seções em que a obra está dividida, cada uma delas cobrindo diferentes áreas da lei judaica: “Orakh Khayim”, “Yoreh De’ah”, “Even Ha’ezer” e “Khoshen Mishpat”. As páginas recém-adquiridas pelo NLI provêm das duas primeiras seções. A divisão em quatro partes do “Arba'ah Turim” e o trabalho em geral serviram de base para inúmeros comentários e tentativas posteriores de codificar a lei judaica, incluindo o “Shulkhan Arukh” do século XVI do Rabino Joseph Caro, que é amplamente considerado o código mais importante da lei judaica até hoje.


Yoel Finkelman, curador da Coleção Judaica Haim e Hanna Salomon da Biblioteca Nacional de Israel, “Incunábulos como esses fornecem recursos ricos e únicos para a pesquisa da cultura textual judaica e têm valor estético e bibliográfico adicional. Estas páginas, em particular, fornecem evidências tangíveis extremamente raras de um dos primeiros textos religiosos judaicos a serem impressos. Embora a edição completa não tenha sobrevivido, é emocionante que estas páginas – parte de um texto judaico extremamente importante – tenham chegado até nós e agora serão preservadas e disponibilizadas aos estudiosos e ao público em geral pela Biblioteca Nacional de Israel em Jerusalém."


A Coleção Judaica Haim e Hanna Salomon da Biblioteca Nacional de Israel inclui a grande maioria dos livros, periódicos e revistas hebraicos e judaicos já publicados; milhares de manuscritos em letras hebraicas, bem como cópias digitais e em microfilme de cerca de 80 mil desses manuscritos de coleções em todo o mundo; a maior coleção mundial de música judaica; e centenas de arquivos pessoais de figuras importantes. Os tesouros preciosos da Coleção incluem o comentário de Maimônides sobre a Mishna em sua própria caligrafia; alguns dos primeiros manuscritos talmúdicos e livros hebraicos impressos; as maiores coleções mundiais de ketubot e haggadot; coleções de arquivos de importantes figuras rabínicas; e a Coleção Gershom Scholem – o principal recurso do mundo para o estudo da Cabala, do Misticismo Judaico e do Hassidismo.

Comentarios


bottom of page