top of page
  • Mazal News

Joyous Bar Mitzvah Celebrated in Sukkah in Kharkov, Ukraine


Photo courtesy Chabad of Kharkov

Perhaps nowhere in Ukraine has Sukkot been more widely celebrated this year than in Kharkov, the country’s second-largest city. There, in the eastern part of the country, close to the border with Russia, Yisroel Moskovitz became a bar mitzvah during Chol Hamoed, the intermediate days of Sukkot.


Yisroel is the son of Rabbi Moshe and Miriam Moskovitz, who have directed Chabad of Kharkov for more than 30 years. Despite more than 18 months of shelling, bombings and loss of life, his parents were determined to celebrate his milestone with their community.


“He was so worried last year when the war broke out that he wouldn’t be able to have his bar mitzvah in Kharkov,” said his mother, noting that her son was born in the city and that his bris was held in the Choral Synagogue.


She said the theme of the bar mitzvah was being happy, and how joy can help you rise above challenges and make the world a better place. “We showed a film about how Yisroel was born during Sukkot, which is a joyous festival, and how he’s always been a happy child, and how even now he always tries to keep up everyone’s spirits and give them a reason to smile.”


More than 250 people came to celebrate with him. While most of the attendees were members of the Kharkov Jewish community, several government officials and fellow Chabad emissaries from around the country attended the milestone event as well.


However, it was the arrival of several Ukrainian refugees who have been taking refuge in Hungary and Austria and traveled for two days to join the festivities that most impacted people.


“It was so special to see everyone together, united and praying together that we should have better times,” said Moskovitz.


“What we’ve been hearing from people is that last night was the happiest event, happiest occasion in all the 33 years we’ve been here,” she said. “I’m not sure if that is because of the war or despite the war, but sharing the music and dancing, despite what’s going on, really shows Am Yisroel Chai, that we are able to continue to celebrate.”


The Moskovitzes are no strangers to making simchas in stressful situations. Less than a month before the onset of the war in early 2022, they hosted 500 guests at the wedding of their daughter Bracha to Mendy Katan of Kfar Chabad, Israel.


This year, with attacks ongoing in the city only 25 miles from the Russian border, “we weren’t sure about making a bar mitzvah event and building a larger sukkah than usual in Kharkov,” Moskovitz told Chabad.org. “But we decided as with all the other holidays—Passover, Purim, Chanukah—that it is extremely important for people, especially in this time of war, to be together and continue our traditions.”


To accommodate their guests and community members, the Moskovitzes built a 150-square-meter sukkah in front of the city’s famed Choral Synagogue. Usually, the synagogue’s sukkah is built on the side of the building. The new one took more than a week to assemble, and given the Choral Synagogue’s location on the main Pushkinska Street, is visible to anyone walking along the road.


Indeed, throughout the bar mitzvah celebration people walking along the street could hear the music blasting and see the dancing that was taking place with men on one side and women on the other.


The bar mitzvah was just one part of the celebration, as there were lulavs and etrogs available for anyone to use. Throughout the holiday, representatives from Chabad are fanning out in the city so that people can have the mitzvah of shaking the “Four Species” or “Four Kinds.”


The challenge for Jews in Kharkov are the night activities, such as those associated with the upcoming holiday of Simchat Torah, since the city remains under a curfew that begins at 11 pm.


“We are starting things as early as possible and making them as joyous as we can,” said Moskovitz.


Credit: Chabad News


 

Alegre Bar Mitzvah comemorado em Sucá em Kharkov, Ucrânia


Talvez em nenhum lugar da Ucrânia Sucot tenha sido mais amplamente celebrado este ano do que em Kharkov, a segunda maior cidade do país. Lá, na parte oriental do país, perto da fronteira com a Rússia, Yisroel Moskovitz tornou-se um bar mitzvah durante Chol Hamoed, os dias intermediários de Sucot.


Yisrael é filho do Rabino Moshe e Miriam Moskovitz, que dirigiram Chabad de Kharkov por mais de 30 anos. Apesar de mais de 18 meses de bombardeios e perdas de vidas, seus pais estavam determinados a comemorar seu marco com sua comunidade.


“Ele estava tão preocupado no ano passado, quando a guerra estourou, que não poderia realizar seu bar mitzvah em Kharkov”, disse sua mãe, observando que seu filho nasceu na cidade e que seu bris foi realizado no Coral Sinagoga.


Ela disse que o tema do bar mitzvah era ser feliz e como a alegria pode ajudá-lo a superar os desafios e tornar o mundo um lugar melhor. “Mostramos um filme sobre como Yisrael nasceu durante Sucot, que é um festival alegre, e como ele sempre foi uma criança feliz, e como mesmo agora ele sempre tenta manter o ânimo de todos e dar-lhes um motivo para sorrir.”


Mais de 250 pessoas vieram comemorar com ele. Embora a maioria dos participantes fossem membros da comunidade judaica de Kharkov, vários funcionários do governo e colegas emissários Chabad de todo o país também participaram do evento marcante.


No entanto, foi a chegada de vários refugiados ucranianos que se refugiaram na Hungria e na Áustria e viajaram durante dois dias para participar nas festividades que mais impactou as pessoas.


“Foi tão especial ver todos juntos, unidos e orando juntos para que tivéssemos tempos melhores”, disse Moskovitz.


“O que ouvimos das pessoas é que a noite passada foi o acontecimento mais feliz, a ocasião mais feliz de todos os 33 anos que estamos aqui”, disse ela. “Não tenho certeza se isso é por causa da guerra ou apesar da guerra, mas compartilhar a música e a dança, apesar do que está acontecendo, realmente mostra ao Am Yisrael Chai que somos capazes de continuar a celebrar.”


Os Moskovitzes conhecem bem a prática de simchas em situações estressantes. Menos de um mês antes do início da guerra, no início de 2022, eles receberam 500 convidados no casamento de sua filha Bracha com Mendy Katan de Kfar Chabad, Israel.


Este ano, com os ataques em curso na cidade a apenas 40 quilómetros da fronteira russa, “não tínhamos a certeza de realizar um evento de bar mitzvah e construir uma sucá maior do que o habitual em Kharkov”, disse Moskovitz ao Chabad.org. “Mas decidimos, como acontece com todos os outros feriados – Páscoa, Purim, Chanucá – que é extremamente importante que as pessoas, especialmente neste tempo de guerra, estejam juntas e continuem as nossas tradições.”


Para acomodar os seus convidados e membros da comunidade, os Moskovitz construíram uma sucá de 150 metros quadrados em frente à famosa Sinagoga Coral da cidade. Normalmente, a sucá da sinagoga é construída na lateral do edifício. A nova levou mais de uma semana para ser montada e, dada a localização da Sinagoga Coral na rua principal Pushkinska, é visível para qualquer pessoa que ande pela estrada.


Na verdade, durante toda a celebração do bar mitzvah, as pessoas que caminhavam pela rua podiam ouvir a música tocando e ver a dança que acontecia com os homens de um lado e as mulheres do outro.


O bar mitzvah foi apenas uma parte da celebração, pois havia lulavs e etrogs disponíveis para qualquer pessoa usar. Durante todo o feriado, representantes de Chabad estão se espalhando pela cidade para que as pessoas possam ter a mitsvá de abalar as “Quatro Espécies” ou “Quatro Espécies”.


O desafio para os judeus em Kharkov são as atividades noturnas, como as associadas ao próximo feriado de Simchat Torá, já que a cidade permanece sob toque de recolher que começa às 23h.


“Estamos começando as coisas o mais cedo possível e deixando-as tão alegres quanto podemos”, disse Moskovitz.

Commenti


bottom of page