top of page
  • Mazal News

Germany’s chancellor lights first Hanukkah candle on a huge menorah at Berlin’s Brandenburg Gate

German Chancellor Olaf Scholz on Thursday expressed his unwavering support for the Jewish people as he lit the first candle of Hanukkah on a huge menorah in front of Berlin’s iconic Brandenburg Gate.


“I wish that the candle of Hanukkah will shine far beyond this square and much longer than just for the eight days of Hanukkah,” Scholz, wearing a black velvet skullcap, said in the center of the German capital.


Hanukkah, also known as Judaism’s festival of lights, marks the rededication of the Temple in Jerusalem in the 2nd century B.C., after a small group of Jewish fighters liberated it from occupying foreign forces.


This year’s holiday comes as many Jews feel traumatized by Hamas’ deadly Oct. 7 attack on Israel that killed 1,200 people and in which the militants took some 240 as hostages. The attack triggered the latest Israel-Hamas war, which has so far killed more than 16,200 people in Gaza, according to the Hamas-run territory’s Health Ministry. The ministry does not differentiate between civilian and combatant deaths.


“Hanukkah stands for hope and confidence. Both are especially needed these days,” the German chancellor said. “The Hamas terror attack on Israel has shaken us all deeply.”


“Each and every one of us must clearly oppose this terror,” added Scholz, who has been an outspoken supporter of Israel and has stressed many times Israel’s right to defend itself against the militant Hamas group.


Berlin Rabbi Yehuda Teichtal, whose great-grandfather was murdered by the Nazis in the Holocaust, called on Jews and non-Jews alike to confront the hatred with love.


“The answer is not to retreat, but on the contrary: more light, more joy, more Jewish consciousness,” the rabbi said to cheers from the crowd.


Source: AP


 

Chanceler da Alemanha acende a primeira vela de Chanukah em uma enorme menorá no Portão de Brandemburgo, em Berlim


O chanceler alemão, Olaf Scholz, expressou na quinta-feira seu apoio inabalável ao povo judeu ao acender a primeira vela de Chanukah em uma enorme menorá em frente ao famoso Portão de Brandemburgo, em Berlim.


“Desejo que a vela do Chanukah brilhe muito além desta praça e por muito mais tempo do que apenas durante os oito dias do Chanukah”, disse Scholz, usando um solidéu de veludo preto, no centro da capital alemã.


O Chanukah, também conhecido como o festival das luzes do Judaísmo, marca o resgate do Templo em Jerusalém no século II a.C., depois de um pequeno grupo de combatentes judeus o ter libertado das forças de ocupação estrangeiras.


O feriado deste ano ocorre num momento em que muitos judeus se sentem traumatizados pelo ataque mortal do Hamas em 7 de outubro a Israel, que matou 1.200 pessoas e no qual os militantes fizeram cerca de 240 como reféns. O ataque desencadeou a última guerra entre Israel e o Hamas, que até agora matou mais de 16.200 pessoas em Gaza, segundo o Ministério da Saúde do território administrado pelo Hamas. O ministério não diferencia entre mortes de civis e combatentes.


“Chanukah significa esperança e confiança. Ambos são especialmente necessários nos dias de hoje”, disse a chanceler alemã. “O ataque terrorista do Hamas a Israel abalou-nos profundamente.”

“Cada um de nós deve opor-se claramente a este terror”, acrescentou Scholz, que tem sido um defensor declarado de Israel e enfatizou muitas vezes o direito de Israel de se defender contra o grupo militante Hamas.


O rabino de Berlim Yehuda Teichtal, cujo bisavô foi assassinado pelos nazistas no Holocausto, apelou tanto aos judeus como aos não-judeus para confrontarem o ódio com amor.


“A resposta não é recuar, mas pelo contrário: mais luz, mais alegria, mais consciência judaica”, disse o rabino, sob aplausos da multidão.

Comments


bottom of page