top of page
  • Mazal News

Latin America’s biggest online retailer says it reduced antisemitic products by 89%

Latin America’s largest online retailer has stripped its digital shelves of antisemitic content this year, the result of a push by the regional branch of the World Jewish Congress.


Mercado Libre (“free market” in Spanish) was founded in 1999 in Argentina by a Jewish businessman there; it boasts 76 million users, making it more widely used than Amazon in Latin America, where it operates in 18 countries.

Credit: Governo do Estado de São Paulo

Last year, the company announced that it would purge books such as “Mein Kampf” and “The Protocols of the Elders of Zion,” as well as Nazi coins, posters and memorabilia, from its offerings. This week, it announced that in the first half of 2021, the number of items available for sale that violated the company’s policies related to violence and discrimination was down 89% compared to the year before.


“We are very proud of the collaborative work we have done in this time,” Federico Deya, Mercado Libre’s senior legal director, told the Jewish Telegraphic Agency. He credited the work the company had done with the Latin American Jewish Congress in effecting the change, which a report from the company said also included a 23% increase in the detection of hate speech in publications for sale on the site.


Source: JTA

 

Maior varejista online da América Latina diz que reduziu produtos antissemitas em 89% este ano


O maior varejista online da América Latina retirou de suas prateleiras digitais o conteúdo antissemita este ano, resultado de uma pressão da filial regional do Congresso Judaico Mundial.


O Mercado Livre foi fundado em 1999 na Argentina por um empresário judeu local; possui 76 milhões de usuários, o que o torna mais usado do que a Amazon na América Latina, onde opera em 18 países.


No ano passado, a empresa anunciou que eliminaria livros como “Mein Kampf” e “Os Protocolos dos Sábios de Sião”, bem como moedas, pôsteres e recordações nazistas de suas ofertas. Nesta semana, anunciou que no primeiro semestre de 2021, o número de itens à venda que violavam as políticas da empresa relacionadas à violência e discriminação caiu 89% em relação ao ano anterior.


“Estamos muito orgulhosos do trabalho colaborativo que realizamos neste período”, disse Federico Deya, diretor jurídico sênior do Mercado Libre, à Agência Telegráfica Judaica. Ele creditou o trabalho que a empresa fez com o Congresso Judaico Latino-Americano para efetivar a mudança, que um relatório da empresa disse também incluir um aumento de 23% na detecção de discurso de ódio em publicações à venda no site.


댓글


bottom of page