top of page
  • Mazal News

Guyana Presidents’ Son Puts on Tefillin, Receives Matzah for First Time


When Rabbi Avromy Super couldn’t find a direct flight home to St. Lucia last October, he was disappointed. The rabbi, who established Chabad-Lubavitch of St. Lucia with his wife, Sternie, in 2019, usually didn’t have trouble finding nonstop flights to his Caribbean home island, but this time the only available flight had a stop in Guyana, a coastal South American country south of St. Lucia. To get home, Super would have to travel 600 miles out of his way.


With St. Lucia home to a permanent Jewish population of around 200—many of whom are part-time residents—Super is accustomed to keeping a keen eye out for Jews in his exotic neighborhood. So when he landed in Guyana’s capital city of Georgetown on his dreaded 24-hour stopover, he brushed off his exhaustion and got to work.


Almost immediately he found two Jews—one named Raphi, owner of a local riverside resort, and Alan, a Jew originally from Antwerp, Belgium, who had been living in Guyana for 13 years. Super met with both, and when it was finally time to catch his connecting flight, they vowed to stay in touch.


Six months later, with Passover fast approaching, Super began going through his list of Jews to send traditional, handmade round Shmurah matzah for the holiday. Along with the Jews of St. Lucia, Super has a Rolodex of Jews he’s met on his travels in the Caribbean with whom he remains in contact, including his new friends in Guyana.


When calculating the shipping rates this year, he realized that it would be more costly to ship the boxes than to fly to each island and deliver them himself. So the rabbi made travel plans to deliver the hand-made matzah, along with the joy of the holiday, in person.


At the same time, through his Jewish contacts in Guyana he’d become aware of at least a dozen Jews living there. One of them, however, the Jewish son of two former presidents of Guyana, he knew of on his own.



The Jewish President and Her Son


The Jagan family is all but royalty in Guyana. Cheddi Jagan, the patriarch of the family, founded the People’s Progressive Party in 1950, together with his wife, Janet (née Rosenberg). He served as the Premier of British Guiana from 1961 to 1964 and as president of Guyana from 1992 to 1997.


Jagan’s work and accomplishments in service to Guyana made him an iconic figure in the country, of which he is regarded as a founding father, in some quarters earning him the moniker “Father of the Nation.” The primary airport in Guyana, where Super landed, is named the Cheddi Jagan International Airport.


Janet was a force in her own right. The daughter of Jewish immigrants from Romania and Hungary, Janet was born and raised in Chicago, moving to Guyana after marrying Cheddi Jagan. In 1973, after years of political activism, Janet was elected to Parliament and went on to become the longest-serving member of Guyana’s parliament. After her husband's death in 1997, Janet was elected president of Guyana, becoming the country’s first female president and Jewish leader. As one of a handful of Jewish heads of state in the world outside of Israel, Janet was by far the most famous Jew in the Caribbean.


Janet Rosenberg Jagan passed away in 2009, 12 years after her husband, and was survived by their two children, Dr. Cheddi (“Joey”) Jagan Jr. and Nadira Jagan-Brancier.


Like most people in the Caribbean, Super had heard of Jagan and his Jewish ancestry, and when he arrived in Guyana before Passover, he resolved to meet Dr. Jagan—a dentist based in Guyana—and give him Shmurah matzah for the Seder.


Guyana’s Jewish community does not have much of an infrastructure, and whomever the rabbi asked did not have any leads to the Jewish son of the former presidents. Most were not even sure how much the Jagans identified with their Jewish identity.


With no toehold to gain an introduction, Rabbi Super came up with a clever solution: walk up to his office door and knock.



‘Find a Jew in Guyana’


Super is not the first Chabad rabbi to arrive in Guyana on a mission to find Jews. Back in the late 1980s, a Brooklyn-based Chassidic stamp dealer named Yitzchok Nemes was commissioned by the government of Guyana to print postage stamps for them. As he always did before setting out on foreign trips, Nemes went to see the Rebbe, Rabbi Menachem M. Schneerson, of righteous memory, to ask for a blessing.


“He told the Rebbe he’s going to a place called Guyana,” Nemes’ son, Rabbi Mendel Nemes, told Jewish Educational Media’s My Encounter with the Rebbe oral history project. “The Rebbe gave him [a dollar as well as] a separate dollar and told him to find a Jew in Guyana.”


Arriving in Georgetown, Nemes met with a Belgian Jew working in the country who insisted that he would never find a Jew in the country. “My father said, listen, the Rebbe gave me a dollar, I will find a Jew,” his son recalled . During the duration of his three week trip, Nemes searched wherever he could, but none of his many contacts could point him in the right direction. It was not until the last few days of his time in Guyana that someone pointed him towards a suburb where there lived a Jewish man by the last name of Solomon.


An assimilated Jew who was married to a Hindu woman, when Mr. Solomon opened his door and found a Chabad businessman from Brooklyn standing there, he was in a state of utter shock. Nemes explained he’d been sent there by the Rebbe, and helped the man don tefillin for the first time. Over the next few days they studied Torah, continuing on every one of Nemes’ many trips to the country. Later, they studied Torah over the telephone, and Mr. Solomon eventually began eating kosher and stopped working on Shabbat. An elderly man when they met, when Solomon passed away a few years later he left a will in which he requested his family bury him in a Jewish cemetery.


With the help of Chabad of Venezuela, Solomon was laid to rest in a Jewish cemetery in Caracas.



A Divinely Providential Meeting


When Super got to Dr. Jagan’s reception area, he introduced himself to the secretary as a visiting rabbi. She disappeared into the back, emerging a few minutes later to usher him into Dr. Jagan’s office.


The president’s son and the rabbi sat together for an hour. They discussed their family backgrounds, Judaism and Israel. Jagan, who hadn’t previously felt much affiliation with his Judaism, described experiencing a shift since Oct. 7. Feelings that he hadn’t had before began to perk up, and he was left with a sense of care and responsibility for his people. He was excited to see a rabbi in his office and be able to discuss his heritage.


At the end of their meeting, Super offered Jagan the opportunity to put on tefillin. Jagan had never heard of them, but after a quick introduction happily wrapped them and recited the Shema prayer for the first time in his life.


Before they parted, Super gave Jagan the box of Shmurah matzah for Passover and promised to stay in touch.



Super continued his trip in Guyana, reconnecting with his Jewish friends there, delivering matzah for their Seders, and holding a Torah class for the handful of Jews he had met over his short visits. “Every article on Guyana’s Jews says only one or two Jewish people live here. On my short visit here, I know that that’s a significant undercount,” Super said. “Just like Rabbi Nemes discovered in the 1980s, when we seek out a fellow Jew with an open heart, we find them.”

Source: Chabad News


Filho de presidentes da Guiana coloca tefilin e recebe matzá pela primeira vez


Quando o Rabino Avromy Super não conseguiu encontrar um voo direto para casa, para Santa Lúcia, em outubro passado, ele ficou desapontado. O rabino, que fundou o Chabad-Lubavitch de Santa Lúcia com sua esposa, Sternie, em 2019, geralmente não tinha problemas para encontrar voos diretos para sua ilha natal no Caribe, mas desta vez o único voo disponível tinha escala na Guiana, um país costeiro da América do Sul ao sul de Santa Lúcia. Para chegar em casa, Super teria que viajar 600 milhas fora de seu caminho.


Com Santa Lúcia abrigando uma população judaica permanente de cerca de 200 pessoas – muitos dos quais são residentes de meio período – Super está acostumado a manter um olhar atento aos judeus em seu bairro exótico. Então, quando ele desembarcou na capital da Guiana, Georgetown, em sua temida escala de 24 horas, ele ignorou o cansaço e começou a trabalhar.


Quase imediatamente ele encontrou dois judeus – um chamado Raphi, proprietário de um resort local à beira do rio, e Alan, um judeu originário de Antuérpia, Bélgica, que vivia na Guiana há 13 anos. Super se encontrou com os dois e, quando finalmente chegou a hora de pegar seu voo de conexão, eles prometeram manter contato.


Seis meses depois, com a Páscoa se aproximando rapidamente, Super começou a analisar sua lista de judeus para enviar a tradicional matzá Shmurah redonda, feita à mão, para o feriado. Junto com os judeus de Santa Lúcia, Super tem uma lista de judeus que conheceu em suas viagens pelo Caribe, com quem mantém contato, incluindo seus novos amigos na Guiana.


Ao calcular as taxas de envio deste ano, ele percebeu que seria mais caro despachar as caixas do que voar até cada ilha e entregá-las ele mesmo. Então o rabino fez planos de viagem para entregar pessoalmente a matsá feita à mão, junto com a alegria do feriado.


Ao mesmo tempo, através dos seus contactos judeus na Guiana, ele tomou conhecimento de pelo menos uma dúzia de judeus que viviam lá. Um deles, porém, o filho judeu de dois ex-presidentes da Guiana, ele conhecia por conta própria.


O presidente judeu e seu filho


A família Jagan é quase realeza na Guiana. Cheddi Jagan, o patriarca da família, fundou o Partido Progressista do Povo em 1950, juntamente com sua esposa, Janet (nascida Rosenberg). Ele serviu como primeiro-ministro da Guiana Britânica de 1961 a 1964 e como presidente da Guiana de 1992 a 1997.


O trabalho e as realizações de Jagan no serviço à Guiana fizeram dele uma figura icônica no país, do qual ele é considerado o pai fundador, o que em alguns setores lhe rendeu o apelido de “Pai da Nação”. O principal aeroporto da Guiana, onde o Super pousou, é denominado Aeroporto Internacional Cheddi Jagan.


Janet era uma força por si só. Filha de imigrantes judeus da Romênia e da Hungria, Janet nasceu e foi criada em Chicago, mudando-se para a Guiana após se casar com Cheddi Jagan. Em 1973, após anos de activismo político, Janet foi eleita para o Parlamento e tornou-se no membro mais antigo do parlamento da Guiana. Após a morte do marido em 1997, Janet foi eleita presidente da Guiana, tornando-se a primeira mulher presidente e líder judaica do país. Como um dos poucos chefes de estado judeus no mundo fora de Israel, Janet era de longe a judia mais famosa do Caribe.


Janet Rosenberg Jagan faleceu em 2009, 12 anos depois de seu marido, e deixou dois filhos.


Como a maioria das pessoas no Caribe, Super tinha ouvido falar de Jagan e de sua ascendência judaica e, quando chegou à Guiana antes da Páscoa, resolveu encontrar-se com o Dr. Jagan – um dentista baseado na Guiana – e dar-lhe matzá Shmurah para o Seder.


A comunidade judaica da Guiana não tem muita infraestrutura, e quem quer que o rabino tenha perguntado não tinha nenhuma pista sobre o filho judeu dos ex-presidentes. A maioria nem tinha certeza do quanto os Jagans se identificavam com a sua identidade judaica.


Sem apoio para ser apresentado, o Rabino encontrou uma solução inteligente: caminhar até a porta de seu escritório e bater.


‘Encontre um judeu na Guiana’


Super não é o primeiro rabino Chabad a chegar à Guiana com a missão de encontrar judeus. No final da década de 1980, um negociante de selos chassídicos baseado no Brooklyn chamado Yitzchok Nemes foi contratado pelo governo da Guiana para imprimir selos postais para eles. Como sempre fazia antes de partir em viagens ao exterior, Nemes foi ver o Rebe, Rabino Menachem M. Schneerson, de abençoada memória, para pedir uma bênção.


“Ele disse ao Rebe que estava indo para um lugar chamado Guiana”, disse o filho de Nemes, Rabino Mendel Nemes, ao projeto de história oral Meu Encontro com o Rebe, da Jewish Educational Media. “O Rebe deu-lhe [um dólar, bem como] um dólar separado e disse-lhe para encontrar um judeu na Guiana.”


Chegando a Georgetown, Nemes encontrou-se com um judeu belga que trabalhava no país e insistiu que nunca encontraria um judeu no país. “Meu pai disse, escute, o Rebe me deu um dólar, vou encontrar um judeu”, relembrou seu filho. Durante sua viagem de três semanas, Nemes procurou onde pôde, mas nenhum de seus muitos contatos conseguiu apontar a direção certa. Foi só nos últimos dias de sua estada na Guiana que alguém lhe indicou um subúrbio onde morava um judeu de sobrenome Salomão.


Judeu assimilado, casado com uma mulher hindu, quando o Sr. Solomon abriu a porta e encontrou um empresário Chabad do Brooklyn parado ali, ficou em estado de choque total. Nemes explicou que foi enviado para lá pelo Rebe e ajudou o homem a colocar tefilin pela primeira vez. Nos dias seguintes eles estudaram a Torá, continuando em cada uma das muitas viagens de Nemes ao país. Mais tarde, eles estudaram a Torá por telefone, e o Sr. Solomon finalmente começou a comer kosher e parou de trabalhar no Shabat. Quando se conheceram, um homem idoso, quando Solomon faleceu, alguns anos depois, ele deixou um testamento no qual pedia que sua família o enterrasse em um cemitério judeu.


Com a ajuda de Chabad da Venezuela, Salomão foi sepultado num cemitério judaico em Caracas.


Um Encontro Divinamente Providencial


Quando Super chegou à recepção do Dr. Jagan, ele se apresentou à secretária como um rabino visitante. Ela desapareceu nos fundos, emergindo alguns minutos depois para conduzi-lo ao consultório do Dr. Jagan.


O filho do presidente e o rabino sentaram-se juntos durante uma hora. Eles discutiram seus antecedentes familiares, o Judaísmo e Israel. Jagan, que anteriormente não sentia muita afiliação ao seu judaísmo, descreveu ter experimentado uma mudança desde 7 de outubro. Sentimentos que ele não tinha antes começaram a se animar, e ele ficou com um senso de cuidado e responsabilidade por seu povo. . Ele ficou animado ao ver um rabino em seu escritório e poder discutir sua herança.


No final da reunião, Super ofereceu a Jagan a oportunidade de colocar tefilin. Jagan nunca tinha ouvido falar deles, mas depois de uma rápida introdução, embrulhou-os com alegria e recitou a oração Shemá pela primeira vez em sua vida.


Antes de se separarem, Super deu a Jagan a caixa de matzá Shmurah para a Páscoa e prometeu manter contato.


Super continuou sua viagem na Guiana, reconectando-se com seus amigos judeus de lá, entregando matzá para seus Seders e dando aulas de Torá para o punhado de judeus que conheceu durante suas curtas visitas. “Todos os artigos sobre os judeus da Guiana dizem que apenas um ou dois judeus vivem aqui. Na minha breve visita aqui, sei que há uma subcontagem significativa”, disse Super. “Assim como o rabino Nemes descobriu na década de 1980, quando procuramos um companheiro judeu com o coração aberto, nós o encontramos.”

Comments


bottom of page