• Mazal News

Elevator project takes archaeologists down through Old City's history

Installing an elevator doesn't normally involve a 2,000-year plunge into an ancient city's history. But in Jerusalem, even seemingly simple construction projects can lead to archaeological endeavors.


Archaeologists from the Hebrew University of Jerusalem say they have made numerous discoveries, including an ornate first-century villa with its own ritual bath, after a project began to increase access for disabled people to the Western Wall.


The villa, located footsteps from where the biblical Jewish Temples stood, was uncovered during several years of salvage excavations in the Jewish Quarter of the Old City.


The Western Wall is the holiest site where Jews can pray and millions of worshipers and tourists visit it each year. But to get to the site from the adjacent Jewish Quarter, visitors typically have to descend 142 steps, or take a long detour around the city walls to one of the nearby gates.


In 2017, the Jewish Quarter Reconstruction and Development Company got the green light to begin construction of two elevators to let visitors make the 26-meter (85-foot) descent to the Western Wall easier for visitors

In 2017, the Jewish Quarter Reconstruction and Development Company got the green light to begin construction of two elevators to let visitors make the 26-meter (85-foot) descent with greater ease. The location was a narrow sliver of largely undeveloped slope abutting the existing staircase on the eastern edge of the Jewish Quarter.


"The Western Wall is not a privilege, it's elemental for a Jew or for any person from around the world who wants to come to this holy place," said Herzl Ben Ari, CEO of the development group. "We have to enable it for everybody."


However, like modern development projects in other ancient cities, such as Istanbul, Rome, Athens and Thessaloniki, archaeological finds slowed progress to a crawl.


"This plot of land where the elevator is going to be built remained undisturbed, giving us the great opportunity of digging through all the strata, all the layers of ancient Jerusalem," said Michal Haber, an archaeologist from the Hebrew University of Jerusalem.


Five years into the undertaking, the archaeological work is nearing completion, but the elevators are only expected to be brought online in 2025.


During their dig, the archaeologists carefully peeled back successive layers of construction and debris that had accumulated over two millennia, over nine meters (30 feet) in total. Historical waypoints included Ottoman pipes built into a 2,000-year-old aqueduct that supplied Jerusalem with water from springs near Bethlehem; early Islamic oil lamps; bricks stamped with the name of the 10th Legion, the Roman army that besieged, destroyed and was afterwards encamped in Jerusalem two millennia ago; and the remains of the Judean villa from the final days before the ancient Jewish Temple's destruction in the year 70 CE.


"We are in the wealthy neighborhood of the city on the eve of its destruction," archaeologist Michal Haber says

Archaeologist Oren Gutfeld said they were surprised to uncover traces from Jerusalem's reconstruction as the Roman city of Aelia Capitolina in the 2nd century.


Fragments of frescoes and intricate mosaics from the villa indicated the wealth of the home's occupants. But upon reaching bedrock, Gutfeld and Haber's team made one last find: a private mikveh (Jewish ritual bath) hewn into the limestone mountainside and vaulted with enormous dressed stones.


Haber said the most significant thing about the mikveh was its location overlooking the Temple esplanade.


"We are in the wealthy neighborhood of the city on the eve of its destruction," she said.


Source: Israel Hayom

 

Projeto de elevador leva arqueólogos pela história da Cidade Velha


Normalmente, instalar um elevador não envolve um mergulho de 2.000 anos na história de uma cidade antiga. Mas em Jerusalém, mesmo projetos de construção aparentemente simples podem levar a empreendimentos arqueológicos.


Arqueólogos da Universidade Hebraica de Jerusalém dizem ter feito inúmeras descobertas, incluindo uma vila ornamentada do século I com seu próprio banho ritual, depois que um projeto começou ampliar o acesso de pessoas com deficiência ao Muro das Lamentações.


A vila, localizada a poucos passos de onde ficavam os templos judaicos bíblicos, foi descoberta durante vários anos de escavações de resgate no Bairro Judeu da Cidade Velha.


O Muro das Lamentações é o local mais sagrado onde os judeus podem rezar e milhões de fiéis e turistas o visitam todos os anos. Mas para chegar ao local a partir do bairro judeu adjacente, os visitantes geralmente precisam descer 142 degraus ou fazer um longo desvio pelas muralhas da cidade até um dos portões próximos.


Em 2017, a Empresa de Reconstrução e Desenvolvimento do Bairro Judeu recebeu luz verde para iniciar a construção de dois elevadores para permitir que os visitantes fizessem a descida de 26 metros com maior facilidade. A localização era uma faixa estreita de encosta em grande parte subdesenvolvida, adjacente à escada existente na borda leste do Bairro Judeu.


"O Muro das Lamentações não é um privilégio, é elementar para um judeu ou para qualquer pessoa de todo o mundo que queira vir a este lugar sagrado", disse Herzl Ben Ari, CEO do grupo de desenvolvimento. "Temos que habilitá-lo para todos."


No entanto, como projetos de desenvolvimento modernos em outras cidades antigas, como Istambul, Roma, Atenas e Salônica, os achados arqueológicos retardaram o progresso.


"Este terreno onde o elevador será construído permaneceu intacto, dando-nos a grande oportunidade de cavar todos os estratos, todas as camadas da antiga Jerusalém", disse Michal Haber, arqueólogo da Universidade Hebraica de Jerusalém.


Cinco anos após o início do empreendimento, o trabalho arqueológico está em fase de conclusão, mas os elevadores só devem ser colocados em operação em 2025.


Durante a escavação, os arqueólogos removeram cuidadosamente sucessivas camadas de construção e detritos que se acumularam ao longo de dois milênios, mais de nove metros (30 pés) no total. Os pontos de referência históricos incluíam tubos otomanos construídos em um aqueduto de 2.000 anos que abastecia Jerusalém com água de nascentes perto de Belém; lamparinas a óleo islâmicas; tijolos estampados com o nome da 10ª Legião, o exército romano que sitiou, destruiu e depois acampou em Jerusalém há dois milênios; e os restos da vila da Judeia dos últimos dias antes da destruição do antigo templo judaico no ano 70 EC.


O arqueólogo Oren Gutfeld disse que ficou surpreso ao descobrir vestígios da reconstrução de Jerusalém como a cidade romana de Aelia Capitolina no século II.


Fragmentos de afrescos e mosaicos intrincados da vila indicavam a riqueza dos ocupantes da casa. Mas ao chegar ao leito rochoso, a equipe de Gutfeld e Haber fez uma última descoberta: um mikveh privado (banho ritual judaico) escavado na encosta da montanha de calcário e abobadado com enormes pedras revestidas.


Haber disse que a coisa mais importante sobre o mikveh era sua localização com vista para a esplanada do Templo.


"Estamos no bairro rico da cidade às vésperas de sua destruição", disse ela.